:A santa mumificada que não foi canonizada, mas atrai milhares para cidadezinha na Itália

A santa mumificada que não foi canonizada, mas atrai milhares para cidadezinha na Itália - Cornélio Digital - O Portal de Cornélio Procópio e Região
A santa mumificada que não foi canonizada, mas atrai milhares para cidadezinha na Itália

A noite de 3 de setembro é a mais especial para os moradores de Viterbo, cidade medieval localizada na província italiana de Lazio, a 80 quilômetros de Roma. Neste dia, todos os anos, o número de pessoas da cidade salta dos 68 mil habitantes para quase o dobro –são turistas religiosos que chegam para a procissão em honra a Santa Rosa, a "macchina di Santa Rosa".

Um baldaquino de cerca de 30 metros de altura é carregado pelas ruas da cidade, e evoca a memória da santa por um trajeto de pouco mais de 1 quilômetro pelas ruazinhas históricas de Viterbo. A história da santa é relembrada com devoção por viterbenses e está na ponta da língua dos religiosos que cuidam tanto do museu em sua honra, na casa em que ela viveu, no século 13, quanto do mosteiro onde seu corpo –mumificado– é exposto, até hoje, aos visitantes de todo o mundo.

Irmã Tarcisia, a franciscana que conversou com a reportagem do UOL, não só fez questão de contar sobre a história de fé da menina – que viveu entre 1233 a 1251 e, na adolescência, pregava pelas ruas da cidade – como também citou que o corpo da santa foi analisado cientificamente duas vezes ao longo do século 20. "Na primeira vez, em 1921, verificou-se o ótimo estado dos órgãos internos. O coração estava preservado. E havia duas sementinhas de uva em seu estômago, provavelmente resto da última refeição de Santa Rosa. Sob as ordens do papa, o coração e as sementes foram retirados e postos em relicários", contou ela. Os relicários estão expostos na mesma sala onde está o corpo preservado da santa.

Esta análise de 1921 foi realizada a mando do papa Pio 11. Em 1995, uma nova comissão foi formada para estudar os restos mortais da santa: o objetivo era tentar descobrir do que ela havia morrido, afinal, tão jovem. A equipe contou com médicos, biólogos e paleopatologistas italianos. Os exames mostraram que Rosa tinha uma doença rara, chamada de agenesia total do esterno. Trata-se de uma má formação da parede torácica –que resulta em coração desprotegido dentro do organismo.

"Pessoas que nascem assim morrem em poucas semanas", disse Tarcisia. "De forma que a juventude de Rosa é, por si só, um milagre."

Canonização

Um ano depois de sua morte, o papa Inocêncio 4º, impelido pela comoção popular que já decretava a santidade de Rosa, mandou abrir um processo de canonização para a jovem viterbense. Ele mandou então exumar o corpo de Rosa e, para a surpresa de todos, o mesmo estava muito bem conservado, como se tivesse sido enterrado naquele dia.

Seis anos mais tarde, em 4 de setembro de 1258, o papa Alexandre 4º mandou exumar novamente o corpo de Rosa e enterrá-la na igreja onde ela se encontra até hoje –atualmente chamada de Igreja de Santa Rosa. É este trajeto que é relembrado anualmente pela procissão que traz o baldaquino em honra a Santa Rosa –por isso, o evento é realizado na noite do dia 3, e o dia seguinte é dedicado a orações e vigília.

O processo de canonização de Santa Rosa seria continuado por outros papas –Eugênio 4º e Calixto 3º, principalmente. Em 1457, os trâmites foram concluídos. Mas Calixto 3º acabou morrendo –em 1458– antes de promulgar o decreto da canonização. E nunca essa oficialização acabou feita.

"Há muitos casos de canonização equipolente", comentou o teólogo e filósofo Fernando Altemeyer Júnior, professor do Departamento de Ciências da Religião da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). Canonização equipolente é um processo pelo qual a Igreja reconhece alguém santo sem que tenha cumprido todo o rito formal da canonização –ou seja, a devoção é aceita pela Igreja, ainda que o processo de canonização não tenha terminado conforme manda o protocolo.

Mariana Veiga/UOL


Aqui

Visualizações 29
Fonte: Uol
Por: Redao
Data: 10/09/2018 11h44min

Hospital do Câncer de Londrina


CONTATO
contato@nossoclick.com
antonio.zaneti@gmail.com
(43)99920-1893



TV Na Rua / CornelioDigtal / BandDigital- 2007 - 2014